GRANDE REUNIÃO NA ASSPM DISCUTE COM POLÍTICOS NOSSA PREVIDÊNCIA E REAJUSTE SALARIAL

A ASSPM promoveu neste final de semana, em sua reunião mensal, um grande encontro político, com a presença do Deputado Federal Capitão Augusto e os Deputados Estaduais Coronel Telhada e Coronel Camilo, em que foram explanados todos os detalhes sobre a nossa Previdência (PEC 287), sobre as alterações no Decreto Lei 260/70 (inatividade) e sobre nossa audiência com o Governador Geraldo Alckmin, a respeito de nosso reajuste salarial.

Fizeram parte da mesa, além do Presidente da ASSPM, Subtenente PM Marco Antonio Zanca, o Secretário Geral Luis Fernando Pereira Carneiro, o Presidente da Associação de Cabos e Soldados e Presidente da CERPM, Cabo Wilson Moraes, o Diretor da AOPM, Cel Chiare, o Diretor da Coopmil, Cel. Herrera, os deputados palestrantes e o Cel. Médico PM Roberto Rodrigues Jr, Diretor de Saúde da PM, que foi nosso homenageado.

HOMENAGEM

O evento começou com a entrega de uma placa em homenagem ao Diretor de Saúde da PM, Cel Médico PM Roberto Rodrigues Jr, por sua atuação na publicação, pelo Governo do Estado, do edital de contratação de mais 74 oficiais médicos para trabalhar no HM. Tal necessidade já havia sido discutida com o Cel Roberto há dois meses, aqui mesmo na sede da ASSPM, numa visita de cortesia feita por ele ao nosso Presidente. Na ocasião, ele se propôs a empreender todos os esforços no sentido de que o número de oficiais médicos em serviços no HM fosse ampliado. Com essa conquista alcançada, a homenagem foi mais do que justa.

PREVIDÊNCIA

O Capitão Augusto fez uma retrospectiva de toda a luta empreendida no Congresso Nacional, no final do ano passado, por todos os deputados federais policiais militares, para que a PEC 287 excluísse os policiais militares, pois no primeiro pacote apresentado os prejuízos para a categoria seriam enormes. Após muita negociação, os policiais foram excluídos, o pacote foi aprovado na Câmara, as voltou do Senado novamente atingindo em cheio os policiais militares. Outra vez foi necessária uma força-tarefa para proteger os policiais, que não deverão ser afetados pela votação final.

No entanto, uma Reforma Previdenciária unicamente para os Militares ainda está por vir e a previsão do Capitão Augusto é que ela deverá ser votada em 2019. Por isso, ele vê a necessidade premente de que, até lá, São Paulo tenha conseguido eleger pelo menos um Senador policial militar, para garantir os nossos direitos.

Outra questão apresentada foi um projeto apresentado por ele, ainda em fase de votação, que dá aos policiais seus direitos políticos, o seja, que dá a ele o direito de retornar à Corporação caso não seja reeleito e permite a contagem do tempo trabalhado na atividade política para fins de aposentadoria. Esse benefício potencializaria ainda mais as candidaturas entre os policiais militares. Hoje a Polícia Militar tem apenas 06 deputados federais no Congresso Nacional.

DEPUTADOS ESTADUAIS

Os Deputados Estaduais Cel Telhada e Cel Camilo também falaram a respeito da importância da representatividade dos policiais militares na política, sobre o encontro com o Governador e sobre alterações no Decreto Lei que trata da inatividade.

O Cel Telhada pediu cuidado com o que chamou de “guerrilheiros da internet”, pessoas que publicam notícias falsam, que incitam a discórdia e a desordem, mas nunca estão na linha de frente, colocando outros em perigo. Disse que está lutando pelas alterações no Decreto Lei 260/70, o que permitirá que o policial militar aposentado possa voltar à ativa se assim o desejar, o que não será uma obrigação, apenas uma decisão voluntária, caso lhe traga benefícios.

O Cel Camilo disse que o Governador condicionou o reajuste salarial à arrecadação do Estado e que ele está acompanhando a situação financeira de São Paulo e que vai apresentar dados comprovando que a concessão do reajuste é possível, que foi formada uma comissão permanente de negociação, e que todos os meses o Secretário de Segurança Pública estará reunido com a CERPM para avaliar o andamento desse estudo do índice.

Ambos reiteraram que trabalham juntos, que não há inimizade entre eles, que é preciso formar uma grande equipe para brigar pelos policiais militares, que praças e oficiais estão “no mesmo barco”, e que é preciso apoiar nossos representantes.

A reunião durou cerca de três horas e o salão de eventos da ASSPM estava completamente lotado, com a presença de associados e não associados, inclusive vindos do interior do Estado.

Leave a Comment